quarta-feira, 31 de maio de 2017

Sobre DEUS e a ORAÇÃO




No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus
e o Verbo era Deus... "

Assim começa o Evangelho de João. Ele usa o termo "verbo" (palavra), que foi como os romanos traduziram o termo original grego Logos,  para explicar que Deus está em todas as coisas. O conceito desse Deus no repertório judaico e cristão é o de um ser infinito e absoluto, um Jeová todo poderoso que governa o mundo e os homens com mão de ferro. Estas duas religiões, judeus e cristãos (e mais tarde os muçulmanos) projetam um deus único, criador do céu e da terra. Outras fontes religiosas, como o budismo e as seitas primitivas, consideram a existência de vários Deuses, um para cada propósito. Consta que na Índia, abaixo de Brahma, Vixnu e Shiva (principais deuses da fé hindu) existem mais de 300 outros deuses, cuidando de vários aspectos da vida e da natureza, de acordo com as crenças e costumes de cada região ou tribo.

Talvez um dos únicos consensos em termos religiosos universais é que DEUS é a manifestação da Energia Universal, o prana que interpenetra toda a matéria existente no sistema solar. Vamos ficar na nossa galáxia, por que o que existe fora dela ainda não somos capazes sequer de imaginar. Já é um grande progresso da humanidade nos olharmos para o SOL, pois, na idade média se tinha como perspectiva apenas o planeta Terra, e que era plano, bem lembrado...  

Nesta perspectiva do Deus presente em todas as coisas, uma primeira conclusão é que Ele precisa da matéria para se manifestar. Essa essência divina de tudo o que há no mundo físico, inquietante por sua própria natureza efêmera, é que faz a civilização avançar. Se olharmos para a história do mundo, chegaremos a conclusão de que a vida no planeta é uma constante mudança de paradigmas, pois é preciso desconstruir os cânones velhos para gerar o "novo". Portanto, sobre a constatação de que a Vida é UNA e IMUTÁVEL, devido ao poder e presença de Deus, impregnando todo o mundo material, somos obrigados a entender também que tudo muda, devido ao caráter transitório da condição material, da qual os humanos são parte. 

Neste caso, nós temos uma essência vital eterna e permanente, governando um mundo em mudanças. Acima disso tudo, paira a Divindade.

Como seria possível aos seres humanos nos comunicarmos com esta Divindade? A pedra filosofal desta comunicação está na ORAÇÃO. Orar é a expressão da força ativa interna do indivíduo, a expressão da vontade de se transmutar pessoalmente na interação com a força Divina. Não é exatamente um pedido feito a um ser externo, mas a invocação do Eu Superior, que é a presença divina dentro da própria pessoa. 

As primeiras orações de invocação do sagrado foram feitas através de sons e símbolos, chamados MANTRAS, especialmente no mundo oriental, desde muitos milhares de anos antes de Cristo. 

O Om é o mantra mais importante e o mais antigo que se conhece. Diz-se que ele contém o conhecimento dos antigos Vedas e é considerado o corpo sonoro do Absoluto, ou seja, Deus. Sendo o som do próprio Deus, ele faz o efeito de conectar o praticante com a essência cósmica constituída por materialidade e energia. Neste sentido, o Om é  o próprio som do universo e a semente que "fecunda" os outros mantras. A sua entonação é muito simples: basta encher os pulmões de ar e soltar pela boca semi aberta para entoar o som da letra 'O" e fechando os lábios para exalar o som da letra "M", produzindo um som parecido com com "Ommmmm..." até se esvaziar os pulmões. Encha-os novamente de ar e repita a entonação. Um sucedâneo do mantra Om é a entonação do "Amém", presente nos rituais cristãos atuais. 

A oração de fato tem poder, e, de acordo com a ética desde Platão, quanto mais poder,  mais responsabilidade. 

Assim como os mantras primitivos, a oração moderna desperta a essência divina que está presente em todas as coisas, emanando vibração, frequência e energia. Um simples !PAI NOSSO! se comunica, de forma ainda não explicada, com uma intensa rede de comunicação animada dentro da egrégora cristã, neste caso específico. Como um mantra oriental, a oração moderna praticada no ocidente também toca o divino presente em todas as coisas. 

O som produzido pelos grandes e inspirados compositores da música sacra animam a humanidade, e também a fazem se aproximar mais da essência divina, como no caso do alemão Bach, que dedicou sua vida à igreja evangélica luterana.  

A entrada da humanidade na Era de Aquário favorece os aspectos espiritualistas do ser humano. No vídeo abaixo, vemos um dos maiores artistas do mundo zen budista, Krishna Das, fazendo um concerto num importante templo cristão (metodista) de Nova Yorque. O mantra que ele entoa é um dos mais antigos da Índia. 









        

Nenhum comentário:

Postar um comentário