quinta-feira, 28 de junho de 2012

ROMANTISMO NA MÚSICA POPULAR - Ruby Tuesday


Esta canção é considerada pela revista Rolling Stone na lista das 300 melhores de todos os tempos. Sendo norte americana, a revista não teria interesse especial em promover uma banda inglesa,  no caso a homônima The Rolling Stones, que foi fundada em 1962 e está comemorando seu meio centenário  de estrada. O nome Rolling Stone (Pedra a Rolar) é tradicionalmente atribuído a comportamentos marcadamente rebeldes, libertários ou libertinos, digamos assim,  muito antes de dar nome à famosa canção de Bob Dylan, que só veio ao mundo em 1965, já depois da explosão de sucesso da banda The Rolling Stones, contra a crença de muitas pessoas, que acham que a canção deu nome à banda. Não, uma coisa não tem nada a ver com a outra, até por que estavam em ambientes completamente diferentes, Dylan na luta política dos direitos civis nos Estados Unidos e os Stones detonando a sociedade careta da Gran Bretanha,  como contraponto a doçura burguesa dos Beatles, considerados então muito mais palatáveis para a moral cristã e ocidental.

O som produzido pelos Rolling Stones nunca encontrou imitação. Observem que há várias bandas cover dos Beatles, mas são raras as que se atrevem a imitar o grupo de delinquentes ingleses que fundaram e ainda mantêm os Rolling Stones, que, aliás, prometem um  disco inédito para o ano que vem, em nova excursão mundial comemorativa ao cinquentenário. Tomara que venham de novo ao Brasil, país que costumavam frequentar anonimamente nos anos de chumbo da ditadura militar, apenas para curtir nossos prazeres latinos e a sensualidade tropical baiana. Não os condeno por isso!!!

Os Stones também produziram lindas canções de amor. Esta que lhes apresento é da lavra de Brian Jones,  um dos fundadores do grupo, que morreu de overdose logo nos primeiros anos da banda, como seria de se esperar para o estilo de vida que levavam nossos heróis de então.  Vejamos os versos traduzidos pela minha ótica pessoal. 



Ela nunca disse de onde veio,
"O passado não importa, já passou".
Enquanto brilha o sol ou na noite mais escura
Ninguém sabe se ela vai ou se vem.

Adeus, " Rubi de Terça Feira ",
Quem poderia colocar-te algum rótulo?
Mudando tanto assim a cada novo dia,
Eu estou sempre te perdendo.

Não questione por que ela precisa ser tão livre assim.
Ela te diria que esta é a única maneira de ser,
E que simplesmente não pode estar presa,
A uma vida onde nada se ganha e nada se perde. 
O custo seria alto demais.

"Não há tempo a perder, ... peguem seus sonhos
Antes que eles lhes escapem.
Se planejares a vida dessa forma tão burocrática, 
Teus sonhos desaparecem e vão levar junto a tua consciência.
Não seria um vida sem sentido???"

Os Rolling Stones são uma banda absolutamente inusitada. A voz de Mick Jagger e os solos de guitarra de Keith Richards diferem de todo e qualquer som que já se tenha ouvido ha história do rock and roll. Eles têm como característica o estilo marcadamente bruto do blues negro norte americano, misturado com as baladas camponesas do Reino Unido. Ninguém até hoje conseguiu superá-los neste campo artístico. Nos últimos 50 anos, The Rolling Stones participaram de todas as fases do rock and roll, desde os anos inocentes na Inglaterra de 1962, passando por eventos identificados  com a contestação violenta dos valores civilizatórios do mundo ocidental. Alguns de seus shows nos anos setenta foram marcados por extrema violência, mediados pelos Panteras Negras, grupo terrorista revolucionário negro norte americano, que "cuidava" da segurança dos seus mega espetáculos, alguns dos quais  resultaram em trágicas mortes, durante algumas apresentações pelos Estados Unidos.

Hoje, no mundo do consumismo irresponsável e da comunicação interpessoal imediata e banal, a canção  "Terça Feira de Rubi" parece como um romance surrealista. E não é?  Lembra um pouco a ópera "Carmen", a famosa sedutora cigana anárquica de Sevilla, pela qual todos os homens tinham um quê de fascínio e submissão. 


Raramente outros artistas se atrevem a interpretar canções dos Stones. Por isso, só pela coragem, o grande cantor escocês Rod Stewart já merece nossos aplausos. 






Um comentário:

  1. É impressionante esta banda se manter por tanto tempo praticamente com a mesma formação, mesmo com alguns conflitos. Prova que alem de músicos extraordinários, são altamente profissionais e inteligentes. Moisés

    ResponderExcluir