quinta-feira, 29 de setembro de 2016

"O Ego humano não conhece o Eu Divino".




Huberto Rohden promovia encontros especiais entre seus discípulos, aos quais as igrejas cristãs costumam chamar de "retiros espirituais". Ao abrir um desses encontros, numa semana santa da década de 1970, ele fez uma declaração surpreendente para os padrões da época. "Não viemos aqui para adorar a Deus. Viemos para buscar a nossa independência da escravidão do EGO". Segundo ele, uma vida inteira dedicada à prática religiosa nada significa, se não houver sido criado o grande vazio libertador.

Referia-se à tarefa de matar o escravocrata interno do ser humano, o referido EGO. Adorar um Deus distante e incompreensível não é compatível com esta luta espiritual. Ele recomendava a descoberta pessoal de cada um, em torno do desenvolvimento do seu Deus interno, o Logos, também chamado EU SUPERIOR. E isso só pode ser feito através da intuição. Não será através da inteligência que se vai encontrar o Eu Superior.
Rohden conta que na sua convivência com Albert Eistein, na Universidade de Princeton, EUA, uma ocasião o mestre judeu contou-lhe como descobriu a Teoria da Relatividade, que revolucionou a ciência do século XX. Diz ele que Eistein dava aulas na Universidade de Zurique e se encheu o saco de tanto pensar. Entrou numa espécie de stress, por dedicar-se tanto ao campo mental, e fugiu para o mato, onde passou dois dias sozinho. Voltou de lá com a Teoria da Relatividade completamente pronta em sua cabeça. Disse-lhe o mestre judeu que esta teoria não lhe pertencia, por que lhe foi mostrada pelo poder do grande vazio. Queria referir-se à Meditação.
O Doutor Mikao Issui, o codificador do Reiki, passou décadas pesquisando em monastérios e bibliotecas pelo Japão e China, em busca da explicação para certas curas espirituais que ele observava na prática dos monges budistas. Certa vez, retirou-se sozinho para uma montanha, onde passou 21 dias. De lá voltou com os procedimentos e regras da prática de harmonização e cura energética, à qual deu o nome de Reiki.


O Homem Setenário é um concepção antiga nos escritos hindus. 
Uma das citações preferidas do teólogo Huberto Rohden é esta: "A pior das discórdias, a mais trágica das guerras é o conflito que o homem traz dentro de si mesmo – o conflito entre o ego físico-mental da sua humana personalidade e o Eu Espiritual da sua Divina Individualidade". Isto fecha com o conceito antigo hindu do Homem Setenário, que possui uma parte inferior chamada personalidade, formada pelos campos físico denso, camada energética etérica, corpo astral emocional e mental. Por outro lado, também está conectado a uma parte superior, chamada tríade espiritual, que lhe dá a capacidade de se individualizar na multidão. Esta individualidade espiritual está dividida nos campos Mental Superior, Búdico e Átmico. A conexão entre as duas partes se dá pela Intuição, não pelo pensamento.








SAGRADO VAZIO
Einstein estava ficando louco de tanto pensar
Preparando aulas ou inventando novas teorias
Na libertária universidade de Zurique na Suíça
Enquanto seus parentes na Alemanha
Se preparavam para o pensamento único.
Largou tudo e sumiu no meio do mato
Até chegar às margens do grande lago azul
Entre florestas verdes naquele verão alpino
Naquele país que o recebera tão bem
Sem lhe perguntar se era judeu ou plebeu.
Passou dois dias contemplando o céu de anil
Tomando água dos límpidos ribeirinhos
Comendo cerejas suculentas e maçãs cheirosas
Enquanto esvaziava tudo de dentro de si
E abria espaço para um grande vazio.
Voltou pra casa com a Teoria da Relatividade
Pronta em sua cabeça pensante acadêmica
Mas, ressalvou que a descoberta não era sua
Pois, fora lhe apresentada pela graça divina
Que se acha no Sagrado Vazio da Meditação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário