segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Viajar é tudo. Córdoba, Argentina.


O nome lhe foi dado em 1573 como homenagem à cidade homônima da Andaluzia, de onde vinha o aventureiro Jerônimo Luiz de Cabrera, que buscava duas coisas: a lendária cidade perdida de El Dorado, feita toda de ouro, e uma saída ao oceano Atlântico, provavelmente para escoar o precioso metal bem longe dos olhares cobiçosos da corte espanhola, cuja representaçao formal, naqueles tempos, estava toda voltada para a costa do Pacífico. Cabrera logo foi decapitado pelo vice-rei do Peru, pois andou cometendo outras traquinagens por lá e náo obedecia as ordens imperiais, mas, a cidade prosperou e logo constituiu-se em centro de atraçao para outros imigrantes espanhóis, em busca de melhoria de vida e progresso no novo mundo que se construía. Antes de 1600 já estavam aqui várias ordens religiosas, o que foi fundamental na estabilizaçao da colônia, através de seus colégios, mosteiros e estâncias produtivas.




A primeira universidade do cone sul foi implantada aqui em 1609, católica, evidentemente, que atendia as necessidades de manter a qualidade européia na formaçao dos líderes da Igreja e da Sociedade, cujos estudantes vinham desde o sul do Peru aos confins da Patagônia. 

Devido a sua estratégica localizaçao, Córdoba foi por muitos séculos fornecedora de mulas e suprimentos para a exploraçao de ouro e prata nos altiplanos andinos, assim como para a produçao de gado e cereais nos pampas mais ao interior do continente. Recentemente ficamos sabendo pelo Globo Rural, numa série de reportagens sobre o Caminho das Tropas,  que daqui também partiram as matrizes para a produçao das mulas que sustentaram a integraçao comercial no sul do Brasil, na rota que ia de Viamão a Sorocaba.

Por estes dias tem feito um calor de lascar. Lugares andinos, onde nunca faz calor exagerado, tiveram temperatura de 33 graus, como em Bariloche, o que alguns acham ser evidência do aquecimento global. Em Córdoba tem feito 40 graus. Tudo bem, eu já enfrentei isto em Manaus, só que tem uma grande diferença: a secura do ar aqui é tanta que parece clima de deserto. E tudo está organizado para os dias de inverno, que sáo rigorosos. Todas as casas têm aquecimento a gás, os misturadores de água captam ¾ de àgua quente, todas as instalaçoes sáo cheias de cortinas, tapetes, portas e janelas cerradas, prevendo o frio e, de repente, somos atacados por um siroco.  Ontem fui conhecer a estância jesuítica de Alta Gracia, que fica um pouco mais alto que Córdoba,  uns mil metros de altitude, e quase entrei em colapso. Acabei desistindo do passeio na metade e pedi para voltar pra casa, o que muito decepcionou minha companheira argentina, mas, teria ficado ainda pior se tivesse continuado naquele forno. 

Quando fomos almoçar, escolhi um lugar chamado El Sabrosón (O Gostosáo), que fica ao lado de uma fonte. O calor era tanto que resolvi entrar com meu par de jojotas, para ficar mais à vontade. Aprendi a ter sempre um par de jojotas no carro. São uma delícia, como o próprio nome prenuncia (ou pronuncia?). Creio que não há nada mais argentino do que uma boa jojota, ainda mais as cordobezas, que são confortáveis e prazeirosas, tal qual uma boa chacarera.




Córdoba tem grande identificaçao com Curitiba e ambas cidades se parecem um pouco, cada uma à sua maneira. O sistema viário aqui é igualmente bem planejado e adaptado aos tempos modernos, com prioridade para o transporte coletivo. A cidade também possui grandes avenidas e parques, mas, ao contrário de Curitiba, onde a mata Atlântica é húmida e exuberante, a vegetaçao daqui é tìpica dos montes secos e rochosos, como num ensaio para as planuras andinas, apesar de que estamos bem longe delas. As àrvores sáo  totalmente estranhas para nós, tais como plátanos, sauces, variados tipos de enormes pinhos, etc. Os bairros mais chiques têm as ruas enfeitadas de frondosas árvores, onde se destaca o Jacarandá, nesta época do ano totalmente tomados de flores vermelhas, uns, e lilás, outros.

A identificaçao de Córdoba com Curitiba vai além do aspecto urbanístico, tanto que o ex-governador do Paraná e atual senador náo sai daqui. Dizem as más línguas que sáo interesses que váo além do político-institucional, passando por algumas quebradas noturnas. Alguns blogs irresponsáveis de Curitiba chegaram a especular que nosso governador tem uma assessora cordobeza, que lhe estaria virando a cabeça na direçao de quebradas ainda mais perigosas. Disso náo trato, pois náo me associo a estes que vivem maldizendo e criando fofocas sobre a vida privada de nossos guias. Ainda mais agora, quando el morocho Roberto Requião, assim como outros de nossos espertos líderes,  foram reconduzidos pelo sábio  povo brasileiro para mais quatro anos no clube Que-Maravilha-Viver, quero dizer, à honorável missáo de cuidar dos negócios da Pátria-Amada-Salve-Salve.  

Falemos de coisas mais úteis e importantes.  Agora, que já estou na terceira semana de Argentina, dá para estabelecer comparaçóes e tirar algumas conclusóes. O que me chamou a atençao foi o alto custo de alimentaçao para a classe média,  maior que no Brasil, mesmo que nosso real compre 1,25 pesos. Náo há feiráo nem sacoláo, é tudo nos supermercados ou nas tiendas (mercearias). Tambèm náo existe comida a kilo, exceto o tipo rotisserie, para levar. O cidadáo tem que escolher um prato do menu e este lhe é servido individualmente, o que pode demorar até uma hora de espera, com garçons enfatiodados lhe tratando como cavalheiro de fina estampa, mesmo nos lugares mais sórdidos. Nada da nossa simplicidade brasileira, aquele variado buffet na hora do almoço. Por isso, grande parte das pessoas preferem almoçar sanduíches, no que fazem muito bem pois eles sáo ótimos e baratos, variando entre 2 pesos um refrigerante + tres medias-lunas (páo doce), 5 pesos uma cerveja + duas empanadas e até 10 pesos uma baguete com filè migñon (bife de chorizo) ou lomo (contra-filé).

Sáo notícias assim que nos encorajam a manter nossos abnegados leitores bem informados acerca das nossas peripécias pelas terras de los hermanos. A próxima pernada vai ser longa: 1500 km até Junin de Los Andes. Espero pelo menos me livrar deste clima doido de seco, que nos deixa o nariz sangrando e a garganta ressecada.  Ainda bem que a cerveja é vendida em litros (3 pesos, gelada).  Tin-Tin, salud ! 

Eu e Marcela Castellano em Alta Gracia, antiga sede dos Jesuítas.

      

Nenhum comentário:

Postar um comentário