terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Grande Sertão. Veredas.




video


É desse jeito que o personagem Riobaldo, já velho e há muito afastado da jagunçagem,  começa a contar a um culto e emudecido visitante, freudianamente nunca identificado, as suas aventuras e desventuras vividas nas terras que vão de Januária, onde nasceu, na beira do Rio São Francisco, em direção aos cerrados goianos e baianos que formam os cenários do romance "Grande Sertão. Veredas". Esta obra é considerada entre os cem mais importantes romances da literatura universal, numa lista organizada pela insuspeita academia da Noruega, que escolhe os prêmios Nobel de literatura .  O livro é tão desafiador e misterioso quanto o território. A princípio, o leitor é levado a acreditar na veracidade da história contada por Riobaldo, que, mesmo entre idas e vindas no tempo e no espaço, vai aos poucos formando um fio condutor que prende o leitor no papel de testemunha dos enredos  das estórias, até que Riobaldo nos fuzila com uma reflexão insólita: 

"Contar é muito, muito dificultoso. O que falei foi exato? Foi.
Mas teria sido? Agora, acho que nem não”



A própria linguagem é um tremendo desafio para o leitor comum, por isso o livro nunca foi grande sucesso comercia, embora considerado obra prima nos meios acadêmicos.  Pois, ainda hoje o território do Grande Sertão continua não menos fantástico, onde acontecem coisas do arco da velha. O principal acesso se dá pela cidadezinha de São Romão, onde fiquei alguns dias, poucos para a quantidade de gafes que cometi. Logo na primeira noite, fiz ver ao porteiro do pequeno e simples hotel, minha preocupação com a segurança do carro, estacionado na rua. O experiente sertanejo me ouviu com toda sua humildade e respondeu que ele estaria olhando o carro durante a noite, mas, se mesmo assim alguém "me lograr e conseguir roubar o seu carro, moço,  só se for para passear com as vacas e os jumentos, uma vez que a balsa do São Chico só vai entrar em serviço pelo amanhecer e a balsa do Rio Urucuia está quebrada. Fugir por onde?  "Aqui nós estamos condenados à honestidade, se preocupe não".

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário